terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Acessórios: Matilda 

Não é a primeira vez que digo isto por aqui, um dos meus lemas é "menos é mais" e não há aspecto da minha vida em que eu aplique mais isso que nos acessórios e joalharia que uso. 
Adoro ter peças simples, clássicas e intemporais que posso usar comigo todos os dias e que dão um ar especial sem roubar atenção de tudo o resto. Normalmente, quando escolho uma destas peças para usar acabo por ficar com ela toda a semana por nunca me cansar de a usar e porque combina com quase tudo. 
Estas duas são de uma marca portuguesa chamada Matilda, uma marca que adoro por ter uma vasta seleção destas peças que chamo intemporais e clássicas, todas feitas à medida e com materiais de qualidade. Nem é preciso dizer que tenho usado toda a semana!

\\
This is not the first time I say this in my blog, one of my mottos is "less is more" and I apply this in the way I wear my accessories and jewelry. 
I love classic and timeless pieces that I can wear everyday and that give a special touch without stealing the attention to everything else. Usually, when I chose a piece of jewelry to use I end up wearing it everyday of the week because I can't get tired of it and it feels like it goes with everything. 
These two pieces, the necklace and the bracelet, are from a Portuguese brand called Matilda, a brand that I love due to the great selection of simple and timeless jewelry, all custom-made and with carefully chosen materials. There's no need to say that I have been wearing them all week long!

M.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Fotografias Matilde de Sousa
Photography Matilde de Sousa

Calças: Bershka | Camisola:Burberry | Botas:Asos| Mala: H&M| Relógio: Daniel Wellington | Óculos: Zara
Jeans: Bershka | Sweater: Burberry | Boots:Asos | Bag: H&M| Watch: Daniel Wellington | Sunglasses: Zara

Como foi o vosso Natal? Aproveitaram bem estes dias de descanso? Eu sei que estive uns dias ausente mas por uma boa razão, estou de volta em Portugal para passar as férias e depois regresso a Londres para continuar o meu estágio. 
Soube tão bem finalmente pisar terras lusitanas, já estava cheia de saudades. Chegar e ser agraciada com o sol em Lisboa, ver o rio Tejo e depois chegar a casa, não importa o quão longe estejamos, não há nada como a nossa casa. 
Os últimos dias têm sido caóticos entre os festejos do Natal e o rever todos os amigos e família, é algo que me faz muito feliz nesta altura do ano, rever as pessoas, passar mais tempo com elas e aproveitar todo este ambiente de saudade e alegria. 

\\

How was your Christmas? Did you enjoy these days to rest? I know I was away for some days but it was for the best reason, I'm back in Portugal for the holidays and then in January I'm returning to London to my internship.
It was so good to finally arrive in Portugal, I missed it so much. The sun in Lisbon, seeing river Tagus and then arriving home, doesn't matter how far away we are, there is nothing like home.
The last days have been overwhelming between Christmas and seeing all my friends and family but that is what I love about the holidays: enjoying the company of the ones we love and the festive feeling all over us. 

M.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015


Fotografias Moonfade
Photography Moonfade

Calças: Stradivarius | Casaco: Vintage | Relógio: Daniel Wellington | Botas: Asos
Jeans: Stradivarius | Coat: Vintage | Watch: Daniel Wellington | Boots: Asos

Este chapéu foi comprado por impulso após regatear insaciavelmente o seu preço no mercado de Camden Town, não exactamente por impulso porque já queria um destes verde caqui há imenso tempo, mas por impulso na altura porque não ia com intenções de comprar nada. 
Este jardim, perto de Convent Garden e ao lado da igreja de St. Paul, foi descoberto enquanto estava com a Rita e a Beatriz a deambular pelas ruas. É um escape da agitação toda que é o centro de Londres, decorado com luzes douradas, os bancos de jardins que guardam memórias de outras pessoas e o verde do jardim que anima o ambiente, é um sítio para voltar na Primavera e admirar a transformação dos canteiros floridos, mal posso esperar!
\\
This hat was bought in Camden Market after bargaining the price as much as I could, I wanted a hat this militar green for such a long time that I couldn't believe that I've had finally bought one for such a low price. 
The garden, next to Convent Garden and right in the middle of St. Paul's church, was discovered while strolling around the streets with Rita and Beatriz. It's kind of an escape from all the ongoing rush that is central London. Pretty golden lights all around, garden benches that save memories from past people and the greenery that lights up the mood, it's a place to revisit in the Spring when everything is blooming, I can't wait. 
M.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015


Hoje, que faço 21 anos decidi fazer uma reflexão dos últimos anos e no que eles me ensinaram.
Podia escrever coisas como "o tempo cura tudo" ou "não tomar decisões de cabeça quente" mas isso seria uma lista de conselhos genéricos que poderiam ler em qualquer parte da internet, assim, decidi que devia ser mais pessoal e escrevi uma data de ideias que sigo todos os dias:


-Viaja o máximo que puderes. É uma experiência inestimável.
- Na dúvida, usa preto.
- Mudar de cidade costuma significar mudar de cabelo.
- Na dúvida, come bolo.
- Nunca és demasiado velha/o para ver filmes da Disney.
- Escolhe uma área que gostes para estudar e trabalhar. Assim não terás que trabalhar um dia da tua vida. 
- Tens que admitir que depois de ires de Erasmus, os teus amigos vão sofrer muito com a tua constante partilha de histórias como “aquela vez que foste à Russia e andaste de limusina por 10 euros”
- Se não te sentires inspirada vai ver as publicações antigas da Tavi Gevinson no Style Rookie, uma constante fonte de inspiração.
- Se isso não resultar, vai ver os filmes antigos da Audrey Hepburn, não há nada que diga mais efortless chic que o conjunto todo em preto que a Audrey usa quando está a dançar em Funny Face.
- Para uma inspiração tomboy, revê o Annie Hall pela a milionésima vez. Diane Keaton será sempre o epítome de feminino-masculino. 
- Quanto a Londres: nunca confiar no que a meteorologia diz.
- Nunca entres na &OtherStories ou na COS só “para ver”. É uma tortura.
- Não há nada melhor que ir ver o concerto da tua banda favorita e depois ir para casa ouvir os álbuns até à exaustão e suspirar ao pensar no concerto.
- Sonhar acordado? Porque não?
- O sol faz tudo muito melhor.
- A Jane Austen é a tua melhor amiga.
- Sorri sempre (mesmo quando estás num dia mau ou te sentes uma morsa inchada).
- Enviar postais é um pequeno prazer. Desde escolher o postal mais giro, escrever uma mensagem e saber a reação da pessoa ao receber o postal.
- Acolhe a imprevisibilidade de uma camera analógica. Tirar uma fotografia, será que está boa? Será que está focada? Nunca sabemos até revelar o rolo. Essa é a magia.
- A Mãe têm sempre razão.
- Não é fácil ter um blog. Às vezes quando chegas a casa cansada, quando não tens uma máquina para fotografar ou quando não te sentes inspirada tudo parece mais difícil. Ler os vossos comentários e os mimos que me deixam faz com que tudo valha a pena.

\\
Only in portuguese today, I'm sorry. But feel free to translate.


M.





quarta-feira, 9 de dezembro de 2015


Fotografias Moonfade
Photography Moonfade

Camisola: H&M / Casaco: Vintage
Sweater: H&M | Coat: Vintage

Hoje estava com algumas dificuldades em decidir que música é que devia acompanhar esta publicação. Às vezes escolho as músicas porque estão relacionadas de alguma forma com o post, outras vezes porque estava a ouvi-las no dia em que tirei as fotos. Desta vez estava em branco. Depois percebi que a resposta estava à minha frente, mais especificamente nos meus ouvidos. Tenho devorado os álbuns de Fleet Foxes ultimamente porque para mim eles têm um je ne sais quoi Outonal/Natalício e lembram-me de todas as tardes passadas a trabalhar em casa com uma chávena de chá ao meu lado.
Londres nesta época do ano é pura magia. As decorações espalhadas pela cidade fazem os corações tremer, conseguimos beber uma chávena de chá ou "mulled wine" onde quer que estejamos, há festas de natal e cantigas de natal por toda a cidade. Um dos edifícios mais impressionantes é a estação de St. Pancras com a sua arquitetura gótica vitoriana, é tão bonito que soube logo que tinha que tirar fotografias com ele. 
\\
Today I was having a really hard time to decide which song should go with this post, sometimes I choose the songs because they're related somehow to the publication, other times because I was listening to them on the day the pictures were taken. This time I had a blank space, that's when I realized that the answer was in front of me, more specifically in my hears. I've been listening to Fleet Foxes a lot because I feel that they have a special Fall/Christmasy feeling to them and they remind me the afternoons I spend working home with a teacup by my side. 
London by this time of the year is pure magic. Everything is decorated so amazingly, you can have a cup of warm tea or mulled wine anywhere you go, there is christmas parties and christmas carols all over the city. One of the most impressive buildings is St Pancras Station with its Victorian Gothic architecture, it is so beautiful that I knew I had to take some pictures with it.  

M.

domingo, 6 de dezembro de 2015



Sabem que sempre quis uma máquina analógica? Sempre me senti fascinada pela forma de desenvolver fotografia e a forma manual de criar uma fotografia, o ter que perceber como as coisas funcionam, ao contrário do que fazemos hoje em dia com a fotografia digital.
Desde que estou cá que não posso utilizar a minha Canon porque está a ser arranjada em Portugal, então virei-me para a minha EXA-II b. Desde que recebi a melhor prenda da Máquina de Outros Tempos que tenho estado ansiosa para a usar e vir para Londres foi a oportunidade, pois consigo ir em devaneios turísticos e capturar tudo com ela. Ainda estou a aprender trabalhar com ela por isso se tiverem algumas dicas ou sugestões, digam-me!
Mal posso esperar para revelar estas fotografias e relembrar os meus primeiros meses por cá.
\\

Did you know I always wanted to have an analog camera? I always felt amazed by the way analog photography works and the manual way we have to work with the camera in opposition to digital photography. 
Since I've been here I haven't been able to use my Canon, it's being fixed in Portugal, so I turned to my EXA-II b. I've received it in September by Máquina de Outros Tempos and it was the most amazing present. I've been excited to use it since I've arrived to London. I'm still learning how to work with it, so, if you have any suggestions or tips, share them :)
I can't wait to reveal the pictures and remember my first months here.

M.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015


Ultimamente, cada vez que olho para o meu instagram, pergunto-me "Porque é que uso tanto preto?". Hoje decidi responder a esta questão e reflectir no porque é que o preto nunca é aborrecido. 
Lembro-me de ler a publicação da Ivania Carpio sobre porque é que ela só usava branco e de concordar em como quando usamos uma cor específica ficamos limitados.
Quando uso preto não me sinto limitada, sinto-me infinita.
O preto não é uma cor mas sim a ausência da cor e é com esta conotação de ausência que por vezes o preto é ligado a sentimentos mais negativos de perda ou dor, quando na verdade é esta ausência que age como um quadro vazio para tudo o que escolhermos usar. 
O preto dá espaço para outras características da peça se demonstrarem, como o material, o corte e a textura e acho que essa é uma das coisas que mais gosto no preto e no design de moda em geral. Percebo agora porque é que sou atraída a coleções que usam cores neutras ou designers que usam, em geral, o preto, Yohji Yamamoto e Ann Demeulemeester estou a falar de vocês. 
Há um certo elemento poético e de mistério no preto que me fascina e usar preto não significa que tenha que seguir uma vida neutra e de pouco interesse, li há pouco tempo uma frase que foi atribuída a Neiman Marcus e que dizia "Women who wear black lead colourful lifes". Quanto a mim, estou a fazer tudo para concretizar essa frase. 

\\
Lately, everytime I look to my instagram feed I ask myself the same question "Why do I wear so much black?"
Today I decided to answer this question and reflect on why, for me, black never gets boring. 
I remember reading a post from Ivania Carpio about why she would always wear white and agreeing when she said that when you wear a color "It is so specific that it becomes limited". 
When I wear black I don't feel limited at all, I feel infinite. 
Black isn't a color but the absence of color and it's with this idea of "absence" that sometimes black is connected with bad feelings such as loss and pain, when actually is this "absence" that acts as a blank canvas for everything we choose to wear. 
Black allows other characteristics from the garment to express themselves, such as the material, the texture and details and that's why I like in this non-color and in fashion in general. Now I can understand why I'm so attracted to collections in neutral colors or designers that use black in their collections, Yohji Yamamoto and Ann Demeulemeester, I'm talking about you. 
There is a certain element of mystery and poetry in black and wearing it doesn't mean you have an uninteresting life. I read recently a quote from Neiman Marcus that said "Women who wear black lead colorful life", I'm doing everything I can to make that quote true. 

Fotografias Sara Grilo
Photography Sara Grilo

M.